domingo, 29 de abril de 2018

JUMANJI


Um dos grandes clássicos da tão querida e nostálgica Sessão da Tarde dos anos 90 é sem dúvida o filme Jumanji lançado em 1995 do diretor Joe Johnston. O filme que recebeu uma sequência recentemente que irei assistir ainda essa semana e que contém a história do jogo de tabuleiro considerado maldito. Apesar de o tema ser um pouco sombrio, o Jumanji dos anos 90 é divertido, leve, fantasioso e para todas as idades. Seu elenco conta com as participações de Robin Williams, Bonnie Hunt, Kirsten Dunst, Bradley Pierce e Jonathan Hyde.

O filme vai contar sobre um jogo chamado Jumanji que havia sido enterrado em um baú e cem anos depois o filho de um empresário encontra. Ao perceber que se tratava de um jogo, ele joga com sua amiga, e ele é penalizado a ficar na floresta até que alguém tire cinco ou oito. Só que na jogada seguinte, sua amiga é atacada por morcegos e o jogo é interrompido, porém, o garoto é sugado para dentro do Jumanji até que alguém venha e continue de onde parou. E isso dura vinte e seis anos, onde duas crianças começam a jogar e uma acaba libertando-o, mas para deixar tudo como antes, eles precisam terminar o jogo e nesse tempo eles enfrentam diversos perigos causados pelo jogo que varia entre ataques de animais selvagens, mudanças de ambiente e um soldado que persegue Alan.


Sim, é um filme bem fantasioso, repleto de cenas sombrias onde o tabuleiro em si é o vilão da história. O homem que foi libertado depois de vinte e seis anos é Alan Parrish (Robin Williams), as duas crianças que o libertaram são Judy (Kirsten Dunst) e Peter (Bradley Pierce), que também estão inseridos no jogo começado há muitos anos atrás, e para continuar eles precisam encontrar Sarah (Bonnie Hunt) que havia ficado traumatizada depois de Alan ter sido sugado pelo tabuleiro.

O filme caminha nessa aventura, onde esses quatro personagens procuram uma maneira de encerrar o jogo, mas a cada rodada parecia que suas dificuldades iam piorando e ficando cada vez mais difíceis. O que eu achei legal mesmo foi a sintonia entre os personagens, cada atuação é elogiável e sem dúvida é o que mais deixa o filme divertido. A ideia do filme é também algo bacana, inovadora, sombria e para uma época como nos anos 90, já dar para imaginar o tamanho do sucesso que teve, sejam em crianças ou adultos. Os efeitos especiais também merecem destaque, pois foram muito bem feitos e trabalhados cuidadosamente.


Porém, o filme tem sim as suas falhas, a principal delas em minha opinião é a queda de ritmo que tem a partir da metade do filme. E também o inicio que é dividido em três partes, uma coisa desnecessária, pois um prólogo apenas dava para resumir a quantidade de eventos que o roteiro exigia que mostrasse. Robin Williams (1951-2014) foi um ator consagrado e é justo admitir que sua participação em Jumanji foi que o tornou um filme de sucesso e admirado por fãs. Claro que as demais participações, principalmente das crianças têm os seus méritos, pois o elenco principal é forte e talentoso.

Jumanji pode não ter o mesmo efeito nos dias de hoje como teve em sua época, mas considerando a mesma, é fácil ver como o clima fantasioso e sombrio predomina em um filme de aventura, que é deveras direcionado ao público infantil. Não sei se a sequência deste, intitulada Jumanji: Bem-Vindo à Selva terá algo que me satisfaça, sei que há pessoas que não gostaram como também há aqueles que gostaram, mas enfim, tenho que ter minha própria experiência e após isso escreverei uma resenha para ele. 

NOTA: 8/10

Veja o trailer de Jumanji no vídeo abaixo:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fiquem à vontade para comentar, mas por favor, nada de palavrões, insultos ou qualquer outra coisa que possa ofender o autor do blog e a terceiros. Seria interessante, porém, não obrigatório, que usuários anônimos se identificassem. Bons comentários!