quarta-feira, 12 de setembro de 2018

ANACONDA 4


Concluindo uma franquia que veio do sucesso ao fracasso, em 2009 foi lançado o quarto e último filme da franquia Anaconda. Dirigido por Don E. FauntLeRoy, esse filme, assim como seu antecessor, foi lançado diretamente na Tv, não chegou a ser exibido nos cinemas, ou seja, se trata de um telefilme. E isso se deve ao fato do filme não apresentar os meios possíveis para render uma boa bilheteria, em outras palavras, estava claro que iria ser mais um fracasso.

Sinopse: Um poderoso magnata prestes a morrer contrata um médico para colher um suprimento frasco de orquídeas sangrentas e fazer experiências com o néctar regenerador usando um filhote de cobra. Da noite para o dia, o filhote cresce e torna-se um verdadeiro monstro tanto em tamanho quanto em apetite e devora o médico inteiro, antes de arrastar-se para a liberdade. A herpetóloga Amanda lidera uma equipe de jovens cientistas que enfrenta os capangas armados de Murdoch para obter as cobiçadas orquídeas antes que a cobra acabe com ambos os grupos.


Se no terceiro filme achamos as cobras exageradas e extremamente artificiais, esse filme aqui conseguiu se superar. A cobra mutante é tão mal feita e ridícula que fica difícil acreditar que uma pessoa inteligente no que faz a tenha feito. Anaconda 4 não apenas abusa em dobro do que já vimos no horrível Anaconda 3, mas também é repleta de furos e situações grotescas e medonhas!

A história continua de onde parou, um cientista havia capturado um filhote de anaconda no final do terceiro filme, e a submeteu a experiências realizadas à base da química das orquídeas sangrentas, o que resulta na regeneração celular, assim ele cria o soro da regeneração. Como o projeto é financiado por Murdoch, um rico ganancioso que desejava se curar de uma doença terminal, o cientista tenta esconder este fato dele. Sem muito tempo, Murdoch envia um grupo de mercenários em busca do soro, e no caminho eles cruzam com Amanda, a protagonista e sobrevivente de Anaconda 3.


No meio de toda a caça, a gigantesca cobra mutante passa a perseguir o grupo de ambos os lados, causando terror e desespero nos personagens, e diante de sua capacidade regenerativa, a criatura se tornou agora praticamente imbatível, impossível de mata-la, o que obviamente dificulta a missão dos sobreviventes.

No geral, Anaconda 4 não trás absolutamente nada de relevante para a franquia, e muito menos uma conclusão dela. O final fica em aberto, mas ainda bem que resolveram não mexer mais na saga. O elenco é mediano, algumas atuações são bem toscas e forçadas. A direção comete inúmeros deslizes durante a narrativa, principalmente durante a perseguição na floresta. Os furos no roteiro são gritantes e os efeitos especiais não preciso nem falar.

Na minha humilde opinião, apenas os dois primeiros filmes se salvam. Pois tiveram um bom roteiro e uma premissa bacana. O segundo filme foi bem divertido, pra mim foi mais uma aventura do que terror, claro que isso dividiu opiniões, mas pra mim particularmente foi legal. Agora se tratando dos dois últimos, não sei qual é o pior, parece que resolveram estragar a coisa de forma proposital, por que sinceramente tem que ser muito bonzinho pra não falar mal desses filmes que mancharam uma franquia que tinha tudo pra ser boa. 

NOTA: 4,5/10

Veja o trailer de Anaconda 4:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fiquem à vontade para comentar, mas por favor, nada de palavrões, insultos ou qualquer outra coisa que possa ofender o autor do blog e a terceiros. Seria interessante, porém, não obrigatório, que usuários anônimos se identificassem. Bons comentários!