quinta-feira, 4 de abril de 2019

UM GRITO DE PAVOR (1961)


Eu sempre costumo dizer que muito dinheiro investido em algum filme não significa que o resultado será sempre bom. Particularmente, eu acho que o que faz um bom filme não é o dinheiro investido na produção, e sim se ele contém uma boa história, que seja coerente e que cumpra seu objetivo. Uma boa direção também faz muita diferença, boas atuações, uma edição bacana, sem que nada exagere. Os filmes rotulados de “filme B” são originalmente referidos aos filmes destinados a serem a “outra metade” de uma sessão dupla. Hoje em dia, o termo “filme B” leva em conta diversos fatores, o que inclui o orçamento. 

Com certeza você já ouviu em algum lugar o termo “filme trash”. Esse termo é muitas vezes mal compreendido, por que a tradução literal de trash (que é uma palavra em inglês) significa lixo. Daí então, as pessoas confundem ao ouvirem o termo “filme trash” com filmes ruins e lixos. Mas, não é bem assim, pelo menos não quando nos referirmos a obras audiovisuais. “Filme trash” definem filmes de baixo orçamento, inferiores aos “filmes B”, ou seja, são filmes mal feitos, mas que geralmente são bons e até engraçados. Não podemos generalizar as duas coisas, pois existem trash ruins e bons.

E voltando a falar dos filmes B, que são aqueles que hoje em dia são categorizados com um baixo custo, como dito antes, ser um filme B não significa necessariamente que será um filme ruim. Volto a enfatizar: muito dinheiro não quer dizer nada! E hoje eu gostaria de comentar sobre um filme britânico que sinceramente, está entre os melhores que já vi até hoje, é um exemplar perfeito de que filmes de baixo custo pode significar muita coisa. E é do gênero suspense com umas pitadas de terror. Porém, diferente dos filmes que costumamos ver hoje em dia, essa relíquia dos anos 60 pode ser bastante perturbadora, principalmente se levarmos em conta a época.


Scream of Fear, no Brasil conhecido como Um Grito de Pavor lançado em 1961. Dirigido por Seth Holt, esse longa-metragem conta sobre uma mulher que quase morre afogada e recebe ordens de seu médico para que não se estressasse, pois poderia resultar em loucura. Essa jovem paralítica retorna para sua casa após saber do desaparecimento do seu pai. Depois que chega a estabelece uma boa relação com sua madrasta; a tarefa de ficar sem estresse se torna difícil quando a jovem vê o corpo de seu pai por toda a casa.

A narrativa desse filme segue um rumo bem simples, mas gente, Um Grito de Pavor contém reviravoltas de deixar o espectador de queixo caído! São poucos os filmes que conseguem a façanha de driblar as pistas deixadas pelo caminho sobre o Plot Twist, na primeira que você assiste, eu duvido que você consiga prever ou até mesmo adivinhar a reviravolta. A trama não deixa sequer margens claras pelo caminho, embora haja algumas pistas que você só irá perceber na segunda vez que assistir, fica evidente que tais pistas são perfeitamente camufladas. O mais incrível é que a trama é muito simples, são poucos personagens em cena, contudo, o resultado final é impressionante!


Bem, já falamos sobre suspense, inclusive aos amantes desse gênero, assistir a Um Grito de Pavor é mais que obrigatório! E com relação ao terror? Em primeiro lugar, recomendo que não espere ver um terror autêntico e focado no medo e em cenas medonhas. Em segundo lugar, o terror do filme é mais psicológico, ainda que algumas sequências nos rendem bons sustos. Mas, o foco do filme é deixar o espectador perturbado juntamente com a protagonista, claro que tudo isso tem um propósito, da qual não irei detalhar por que tem a ver com o Plot Twist.

Portanto, esse é um exemplo de filme B muito, mas muito melhor do que certos filmes de classe A. Obviamente, essa é a minha opinião pessoal, no entanto, o que eu gostaria de destacar é que se você realmente aprecia as maravilhas do cinema, precisa estar ciente de certas produções diferenciadas e nunca subestima-las. De uns tempos pra cá, eu aprendi muita coisa sobre filmes com pegadas diferentes daqueles que estamos acostumados, todavia, apreciar algo diferente e satisfatório não tem preço. Digo por experiência própria, e claro que estou garimpando mais filmes com esse estilo, não importa se a produção tem gasto muito ou pouco dinheiro com eles. Acima de tudo, ame o cinema como um todo!


Pelo ano de lançamento, esse filme deve estar protegido por leis de copyright, mas ouvi comentários de que, por exemplo, o filme Parque Macabro (1962) já está em domínio público, porém, eu procurei alguma informação a respeito, e nada obtive. No caso do filme Um Grito de Pavor, eu não tenho certeza se o filme estiver em domínio público, apesar de alguns comentários por aí dizerem que sim. Mas, como eu quero que vocês assistam a esse filme e por ele não estar sequer disponível em nenhum serviço legalizado, afinal, é muito difícil serviços como a Netflix e Prime Video disponibilizar filmes antigos e raros, e nesse caso nós optamos por meios ilegais, pois não há outra forma, infelizmente. Eu por exemplo, não vou deixar de ver os filmes que eu quero, apenas por que nenhum serviço legalizado o contém. Jamais irei me limitar a isso. Julguem-me se quiser, não faz diferença. Mas, entendo que pagar para assistir é mais adequado, até por que os realizadores precisam de retorno financeiro, nisso não podemos ir contra, é impossível!

O filme Um Grito de Pavor é uma raridade de se encontrar, mas significa que você deve deixa-lo de lado? Se você se interessa pela história, o que te impede de conferir? Quando o vi pela primeira vez foi através do blog Filmes em Domínio Público, mas ele foi deletado, não sei por qual razão, talvez leis de copyright, mas se for assim por que diversos filmes por lá não foram deletados? Mas, para quem deseja assistir esse suspense magnífico que comentamos aqui, eu o encontrei disponível em outro blog fascinante com um acervo gigante de filmes online! 

Clique nesse link se desejarem assistir Um Grito de Pavor.

NOTA: 10/10

Até a próxima, e bons filmes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fiquem à vontade para comentar, mas por favor, nada de palavrões, insultos ou qualquer outra coisa que possa ofender o autor do blog e a terceiros. Seria interessante, porém, não obrigatório, que usuários anônimos se identificassem. Bons comentários!