sexta-feira, 10 de setembro de 2021

O SERVIÇO DE ENTREGAS DA KIKI



Vamos falar hoje sobre mais um excelente filme do Studio Ghibli e mais um filme dirigido por Hayao Miyazaki. O Serviço de Entregas da Kiki foi lançado em 1989.

Kiki é uma jovem bruxa que acabou de completar 13 anos. Seguindo a tradição, quando atingem essa idade, todas as bruxas devem sair de casa por um ano para aprender a viver por conta própria. Ela se muda para a cidade de Korico, junto com Jiji, seu gato falante. Lá ela aprende a seguir em frente com sua vida, apesar de todas as dificuldades que possam surgir. 

O filme aborda temas importantes tais como a busca pela independência, a integração social e a emancipação feminina. Também aborda a vida cotidiana de uma forma espetacular, embora seus elementos sejam fantasiosos. Realmente, o Studio Ghibli não decepciona! Quando eles tentam fazer um filme incrível, eles fazem mesmo! E Miyazaki é um dos grandes nomes para que essas animações tenham essa grandeza imensa e uma carga dramática genial e prazerosa! 

É difícil falar do filme sem tecer grandes elogios. É um filme doce e meigo, personagens extremamente carismáticos e uma condução narrativa primorosa! É interessante perceber que Kiki, apesar de ser bruxa, faz pouco proveito de seus poderes, o que culmina nos problemas comuns em todas as jovens de sua idade. Seu aprendizado sobre a vida é visto com o esforço de se encontrar no mundo, e não com o uso de seus poderes. Seu trabalho no serviço de entregas, mostra também o dinheiro desempenha um papel fundamental na sua independência, e isso se torna mais realista e traz um choque de realidade crucial. 

O Serviço de Entregas da Kiki é uma obra-prima do gênero e um dos melhores filmes de animação que já tive o prazer de assistir. Atualmente, o filme se encontra disponível na Netflix. Assistam e desfrutem dessa obra de arte! 

NOTA 10/10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fiquem à vontade para comentar, mas por favor, nada de palavrões, insultos ou qualquer outra coisa que possa ofender o autor do blog e a terceiros. Seria interessante, porém, não obrigatório, que usuários anônimos se identificassem. Bons comentários!