domingo, 13 de junho de 2021

TWISTER (1996)

 

Twister é um filme de catástrofe lançado em 1996, dirigido por Jan de Bont e estrelado por Bill Paxton, Helen Hunt, Jami Gertz, Lois Smith e Cary Elwes. O filme acompanha cientistas que perseguem tornados para pesquisa-los, foi a segunda maior bilheteria de 1996 e recebeu 2 indicações ao Oscar: Melhor Som e Melhores Efeitos Visuais. 

Em Oklahoma, uma tempestade que não acontece há décadas está em formação e dois grupos de cientistas rivais planejam entrar para a história colocando sensores no tornado, para que estas informações possam ir até um computador e, assim, seja possível prever sua chegada com maior antecedência. 


Mas, para colocar os sensores é necessário ficar o mais próximo possível do tornado e torcer para que os sensores sejam sugados pela tempestade. Numa das equipes está uma jovem obcecada por tal ideia, pois em 1969 ela viu o pai ser sugado por um tornado, e atualmente ela precisa concretizar o seu sonho ou morrer ao tentar. 

Esse é um dos temas mais interessantes que acho, algum tipo de desastre natural ou que retrate fenômenos da natureza; isso sempre me chama a atenção. Eu já havia visto Twister quando criança, inclusive uma das cenas que jamais se apagaram da minha mente foi a da vaca sendo carregada pelo tornado. Porém, eu não me lembrava direito da história, então fui rever na Netflix


É um filme bem acima da média, com ótimos efeitos e uma dinâmica muito legal entre os personagens. Sem enrolação, o roteiro logo apresenta as motivações das equipes de cientistas e principalmente não demora muito até que apareça o primeiro tornado. 

Sem apelação ou qualquer exagero, Twister é um filme que conquista o espectador facilmente, seja pela abordagem interessante sobre o tema ou pelo carisma dos atores que o compõe. Não é atoa que é considerado um clássico dos anos 90. 

NOTA: 8,2/10

2 comentários:

  1. É uma ideia criativa que na época tinha como destaque os ótimos efeitos especiais.

    Abraço

    ResponderExcluir

Fiquem à vontade para comentar, mas por favor, nada de palavrões, insultos ou qualquer outra coisa que possa ofender o autor do blog e a terceiros. Seria interessante, porém, não obrigatório, que usuários anônimos se identificassem. Bons comentários!